Coleção Osmundo Pontes de Literatura encerra mais uma edição com noite de autógrafos

“Hoje estamos muito felizes em proporcionar mais esse momento. Temos que enaltecer a figura do Osmundo Pontes: um homem curioso, disposto, que se destacou tanto no jornalismo, como na literatura e no Direito. Também temos que agradecer Cybelle Pontes por ser a guardiã desse legado e manter viva a memória desse valioso homem”. Essas foram as primeiras palavras do presidente da Academia Cearense de Letras Lúcio Alcântara ao abrir a noite de autógrafos da Coleção Osmundo Pontes de Literatura, realizada na sede da instituição.

A edição deste ano premiou Simone Pessoa e Maria Thereza Leite – vencedoras na categoria poesia; e o autor Francisco Simon Maia, primeiro colocado na categoria contos. Todos eles apresentaram suas obras, contaram um pouco do processo de criação e falaram sobre a experiência de fazer parte desse seleto grupo. “A grande missão desse prêmio genuinamente cearense é tirar os autores do anonimato”, pontua Simon Maia. As escritoras Simone Pessoa e Maria Thereza Leite também falaram de suas obras e agradeceram a patronesse Cibelly Pontes por proporcionar esse certame.

O projeto é idealizado pela Família Pontes, com patrocínio da Lei de Incentivo à Cultura e do Grupo Marquise, realização da House Cultura, da Academia Cearense de Letras, da Secretaria Especial da Cultura, do Ministério do Turismo e do Governo Federal, e conta com o apoio da Sociedade Amigas do Livro.

“Agradeço o carinho de todos. Esse prêmio representa muito para mim, pois é uma forma de materializar e manter viva a memória do Osmundo”, finaliza Cibelly Pontes, patronesse do concurso.

Coleção Osmundo Pontes de Literatura

O concurso – que homenageia o jurista, escritor e jornalista Osmundo Pontes – existe desde 1995, já realizou 17 edições e tem o objetivo de valorizar autores independentes naturais ou radicados no Ceará e, por isso, já está inserido no calendário cultural do Estado.

Obras vencedoras na edição 2022

Da Janela Vê-se o Mundo – Simon Maia
elas: boletim de ocorrência – Simone Pessoa
Pandemia: a morte bailarina – Maria Thereza Leite

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *